domingo, 11 de fevereiro de 2007

Diário de um fim

Querido Diário,

Foi tão cruel. Ela me amou e não sabia sair de casa sem me levar junto, você lembra? Conheci tantos lugares, tantas pessoas. Eram jogos e ligações a toda hora do dia e da noite. Uma loucura! Eu me desgastava, claro, mas estava sempre disposto a ajudar, a ser útil; em troca só precisava que me alimentasse, que lembrasse de me dar descanso e energia. Nem demorava tanto e já estava eu pronto para outra rodada de jogos e conversas infindáveis. Eu era o melhor. Podiam ser tantas pessoas quantas quisessem conversar! Eu não dava vexame. Estava lá, firme, forte e feliz. A qualquer momento, em qualquer situação! Muitas vezes eu era acordado e, durante meu descanso, fazia hora extra; e sem cobrar abonos ou indenizações, nada de até 50% do meu salário. Na verdade não tenho lembrança de um dia ter recebido salário...

Era um trabalho escravo! No século XX e eu trabalhando de escravo sem reclamar, sem me alterar, sem falhar. Não reclamava nem das quedas. Eu nem conto as quedas, você ficaria horas aqui me ouvindo contar caso por caso. Cada caso absurdo. Era pedaço de mim para todos os lados. Eu nunca reclamei, nunca fiz greve e nunca pedi demissão. Ela até tinha bastante cuidado comigo, no começo. É como dizem, no começo, tudo é lindo, tudo são flores. Ela fez eu me sentir querido e necessário, amado e importante. Quando eu menos esperava, ela ficou estranhamente diferente: mais distante; menos carinhosa, menos cuidadosa. Eu não entendo porque isso aconteceu.

Afinal, onde eu falhei? Deixei de dar atenção? Deixei de dar amor? Quanto mais eu penso, menos eu compreendo. Ela também não é mais a mesma de antes. Mudou, cresceu, amadureceu; e eu não a abandonei por uma mulher mais nova. Sei que não sou mais tão novo quanto era antes, mas ainda agüento o serviço. Estou cheio de lascas e cicatrizes, tantas foram as quedas que levei. Sei que já estou um pouco velho e que não me reciclei, talvez esse tenha sido o meu maior erro. Hoje, todas elas querem os que fazem algo a mais. Todas elas querem mais criatividade, mais emoção. Será q eu sou tão antiquado assim? Isso, antes, não era nenhum problema.
(...)

7 comentários:

Danilo Carlos disse...

O meu é TIM, e o seu?

Eça disse...

Tá ótimo, fiota...

Bjão!!!

Kady disse...

Hum.. não fique assim!
amores estaum sempre por aew!
oia eu aki... rsrsr
bjus linda

David Herculano disse...

MWAUHWAUHWUAHUHWAUHAWUHAWUH
Muito massa! Probre Celular! XD

Toda menina que enjoa da boneca... XD


=**************

Emmanuel disse...

Hehehe... bem sutil, gostei =D

ananda disse...

nossa..isso eh a kra das minhas amizades possessivas e relacionamentos amorosos igualmente malucos!vc sae bem,ne?
eu sou um celular? TT

xD


beijo

Mauricio LHP disse...

E depois os caras do jornal dizem que o texto tem "lacunas"... pffffffff
Eles não sabem avaliar nada...

Histórico


as primeiras ideias...