segunda-feira, 14 de maio de 2007

Profissão de fé

Era já cedo do dia seguinte, tão cedo que o sol ainda não havia aparecido por aquelas paragens. Carmelita tinha em seu rosto as marcas da noite que passou, da qual não sentia um nada de orgulho, mas sentia toda a falta e a vontade felina de que anoitecesse outra vez. Poder marcar seu rosto, manchar sua pele e por nódoas em seu corpo; mas já era tão cedo que nem o sol acordara por completo e Carmelita devia voltar ao seu agradável e familiar local de trabalho, na Avenida Principal.

Era ainda cedo e o sono não acontecia em Carmelita, apenas o anseio a habitava. O sol enfim já tão claro e tão pontual. Sem marcas no rosto, sem manchas na pele, sem nódoas no copo. Era a Carmelita de todos os dias. Enquanto não chegava a noite com sua verdade. Era então a funcionária do mês. O exemplo. Era o sol: pontual e clara. Tão clara que sua pele negra reluzia, tamanha a clareza de suas palavras. O troco. A nota. O volte sempre. Principal opção para gerência. Carmelita só queria que anoitecesse.

Era ainda cedo da tarde, Carmelita acabara de almoçar e já pegava a bolsa, os livros e os cadernos. Ia para a faculdade, onde estudava o próprio comportamento, a psicologia dos vencidos, a mente dos falidos, o pensar dos manchados pela fé no ofício de ver os dias e viver as noites. Agrupava os transeuntes de acordo com o aprendido nas salas decaídas daquela universidade federal. Procurava seu próprio grupo, entender-se para entender o alheio a si. Ler-se e aos seus gestos para decodificar as mensagens dos gestos vistos pelos olhos afora e de fora dos olhos.

Cansada da espera, enfim se larga no seu sofá estrategicamente preenchido por almofadas e adormece – mais uma princesa a cair, a anti-heroína romântica, a heroína realista, talvez... a literatura já se embaça no seu subconsciente. Duas horas. Três horas. Quatro horas. Dorme pouco. Já agora sai do banho. Não mais sol, agora lua, tão pontual quanto e ainda mais intensa e fulgaz. Frente ao espelho marca o rosto, mancha a pele e prepara o corpo para outra vez ser escrito. Apagara durante o dia as letras escritas em suas coxas – o livro todos os dias recomeçado em sua tão negra anatomia. Preparava-se para receber as nódoas de que se envergonhava e de que tanto sentia falta. Carmelita saía para executar sua profissão por dom; seu trabalho, seu ofício; seu lazer. Um relógio, pontual e gratuito. Carmelita marcava as horas em sua pele.

21 comentários:

David Herculano disse...

Genial!

Até que o carinha lá tinha razão: os momentos ruins definem e os bons vão se embora sem deixar nada.

É. Nada é perfeito.

Hei, vamos pôr em prática né? Aquilo lá...

Gilliard disse...

Carmelita é um tipo tão comum na minha Universidade... Só que aqui, as "recompensas" são mais sutis...

Mais um texto pra coleção de lindas palavras!

E viva as entrelinhas! \o/


=*********

Ulisses disse...

vida dupla é o que há!

Já assistiu "Eu sei que vou te amar" ?

me lembrou esse filme! XD~

Danillo disse...

Adoro os seus textos, Bek.

Melhor blog que leio recentemente.

;*

felipe_pinheiro disse...

putaquéoparêo!

Anna disse...

Caramba!
Muito bom, maninha!
Dessa vez eu li, desculpa nem sempre conseguir ler seus textos, que sempre são ótimos (na minha modesta opinião de leiga).
=***
Você é o orgulho da família! ^^

LHP disse...

Nem vou falar que ficou mto bom, pq eu seria repetitivo... ^^

Vc sempre se supera escrevendo... não estão verde seus textos nãos... já estão prontos ^^

Mauricio LHP disse...

Este texto representa muito bem o cotidiano de muitos brasileiros e brasileiras que necessitam de uma vida dupla, de profissões alternativas para poder sobreviver neste mundo vil e putrefato no qual estamos inseridos em um contexto de sociedade.

Ficou bom??? :D

cau disse...

oi, beka!
=D

whatever
ser princesa é chato.



=***

Lucas dib disse...

Texto ótimo, com a sua marca.


Gostei ^^

ananda disse...

O nome Carmelita me lembrou a ordem das carmelitas.Gostei do contraste!
Perfeito,Bek!Texto bem,contruído,nada elementar.
;*

Ingrid disse...

Engraçado como as pessoas se acham capazes de entender a mente alheia quando não conseguem entender a si próprios... Enfim, é como dizem: "O problema do outro é sempre mais simples".

Um bom texto, Bek.

Castello Bianco disse...

Isso é comum em muitas universidades do Brasil, mas eu acho mais comum nas pagas... Conheço até alguns pontos onde se diz que as estudantes fazem hora extra pra pagar as aulas (e algumas gostam) lá em BH...

=*

Cy disse...

Prefiro poemas :P

Posta um poema \o/

José Dirceu disse...

É, Bek... agora é esperar o livro pra ter autografado, porque a qualidade da obra eu já conheço... Acho PHodda o jeito que você entra na cabeça da personagem! ^_^

Bjão do tio-avô! ^^

Farnezi disse...

vc me parece divertida moça !!!

tem msn?^^

Marcelo Mesquita disse...

É, e haja carmelitas no meio do mundo

Marília Passos disse...

"Ia para a faculdade, onde estudava o próprio comportamento, a psicologia dos vencidos, a mente dos falidos"

que engraçado.. drástico, mas tao ridiculamente comum, não é? :)
gostei daqui. do nome Carmelita, da forma como vc expressa o tempo, o cedo e o tarde, e as percepções de um personagem que, na minha ligeira sensação, extrapola os portoes de faculdade.. =)

deixo meu olá, meus cumprimentos, e vou atras aqui de um poema ja que um rapaz ali citou. hehehe

oi de novo :)

ps: se me permite perguntar, de onde vc é? :) poor um instante quase me pareceu que fosse daqui, de fortaleza. (vim parar aqui pelo blog do marcelo, que ainda n entendi tb como foi parar em mim :P hehehe )

Elias Knechtel disse...

Adorei!


;)

Marília Passos disse...

eu nao sei como pensei que vc é daqui :) provavelmente a questao dos links.. presumi que o "marcelo" q comenta no meu blog é daqui, e daí vc, pq vi no dele, tb devia ser..
dp sua foto parece com alguem que conheço daqui :)
dp pelas palavras. nao sei explicar.. mas deu pra saber: e isso é bom. identidade.. nao denuncista, mas identificável ;)

reitero que gostei daqui ^^

Marília Passos disse...

eu nao sei como pensei que vc é daqui :) provavelmente a questao dos links.. presumi que o "marcelo" q comenta no meu blog é daqui, e daí vc, pq vi no dele, tb devia ser..
dp sua foto parece com alguem que conheço daqui :)
dp pelas palavras. nao sei explicar.. mas deu pra saber: e isso é bom. identidade.. nao denuncista, mas identificável ;)

reitero que gostei daqui ^^

Histórico


as primeiras ideias...